7 museus russos que possuem enormes acervos on-line

7 museus russos que possuem enormes acervos on-line

Não há necessidade de viajar para Moscou ou São Petersburgo para visitar esses museus. Suas coleções foram digitalizadas e estão disponíveis on-line – de graça!

1. Museu Hermitage

Em apenas uma visita, é impossível conhecer por completo um dos maiores e mais famosos museus do mundo, mesmo que você passe o dia inteiro lá. Portanto, em vez de tentar a façanha, caminhe por seus corredores aparentemente intermináveis com este guia do projeto Google Art ou confira o próprio site do Hermitage, no qual foi inserido um arquivo digital com navegação conveniente por gênero e título.

Na seção “Destaques”, você encontrará todos as peças mais importantes e raras que você deve conhecer sobre o acervo do Hermitage: pinturas de famosos artistas russos e estrangeiros, ovos Fabergé, esculturas e joias selecionadas.

2. Galeria Tretyakov

Outro museu russo importante e que merece uma visita antes de morrer – nem que seja on-line. Abriga algumas das pinturas mais famosas de artistas da Rússia.

Então, dê um passeio com o Google em 3D ou visite o site oficial, que tem cerca de 180 mil itens do acervo da galeria armazenados digitalmente. Quer outra vantagem? A galeria on-line pode ser acessada em nada menos que 12 idiomas estrangeiros, enquanto a off-line tem apenas informações em russo e inglês.

3. Museu Estatal Russo

Outra reserva dos tesouros nacionais russos está espalhada por vários edifícios em São Petersburgo, mas sua versão on-line permite que você tenha uma visão geral dos destaque sem percorrer longas distâncias – e melhor ainda, todos classificados por períodos históricos e tipo de arte.

Paralelamente, o guia do Google Art Project fornece um passeio em 3D por dentro das paredes do prédio principal do museu russo – o Palácio Mikhailovsky.

4. Museu Estatal Púchkin de Belas Artes

Dos artefatos da civilização Suméria às antigas esculturas e arquitetura do Egito e da Grécia, este museu foi aberto durante o período de Nikolai 2º, o último tsar da Rússia, e foi o primeiro do tipo na Rússia. Possui a maior coleção de cópias perfeitas, que dão aos russos a grande chance de ver como são os tesouros mais importantes do mundo.

Você pode dar um passeio pelos corredores do museu com o guia do Google Art Project, ou fazer um tour virtual agradável e interativo no site do museu (disponível, inclusive, em diversos idiomas).

5. Museu da Cosmonáutica

Entrar na estação espacial MIR, observar os trajes espaciais das várias lendas da cosmonáutica e explorar o espaço de muitas maneiras diferentes – esse “entretenimento educativo” é possível também com o guia do Google Art Project.

O museu possui uma grande coleção não apenas de fotos e retratos de cosmonautas e astronautas, mas também alguns de seus pertences pessoais na vida real.

6. Museu de Arte Multimídia de Moscou

Este museu lançou um projeto on-line em grande escala chamado Rússia em Fotos, no qual subiu na internet mais de 100 mil fotos de seu acervo. Os usuários também contribuíram com a iniciativa e continuam carregando fotos de coleções particulares.

O site possui ainda uma linha do tempo pela qual você pode selecionar o ano específico e obter uma visão geral das fotos do período em questão. O principal problema, porém, é que o site ainda não conta com uma versão em inglês.

7. Museu do Consórcio Mosfilm

Para os fãs de cinema, vale a pena acessar o guia do Google Art Project para encontrar uma das maiores coleções de pôsteres de filmes soviéticos, bem como figurinos, decorações e itens famosos envolvidos em processos de filmagem.

O museu do estúdio de cinema mais famoso da Rússia possui também uma coleção de carros que foram usados ​​nos longas mais icônicos.

Enquanto isso, o site oficial do estúdio permite que você caminhe pelo território do estúdio, que quase se parece com um parque temático, completo com adereços e cenários de todos os tipos de filmes, além de pavilhões temáticos, que poderiam se transformar em qualquer coisa dependendo da imaginação do diretor.

Fonte:Russia Beyond

Leave a comment

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *