Russia

Brasil é uma das prioridades da Rússia, diz Pútin a Temer

Declaração conjunta, assinada entre presidentes nesta quarta-feira (21) em Moscou, abrange desde política externa a cooperação espacial. Chefes de Estado se comprometeram a somar esforços para combater ameaças latentes, como terrorismo.

O Brasil “é, sem dúvidas, uma das prioridades da Rússia e um dos parceiros mais importantes na América Latina”, disse o presidente russo Vladímir Pútin, nesta quarta-feira (21), ao iniciar a conversa no Kremlin com seu homólogo brasileiro, Michel Temer.

Brasil é o parceiro crucial da Rússia na América Latina, diz premiê russo

Brasil representa o principal parceiro da Rússia na América Latina, pois os processos econômicos nos dois países são muito parecidos, nosso objetivo principal é aumentar o volume das trocas comerciais, declarou o premiê russo Dmitry Medvedev.

Na terça-feira (21), o chefe do governo russo, Dmitry Medvedev, teve um encontro oficial com o presidente brasileiro, Michel Temer, que atualmente está em Moscou com visita oficial de dois dias.

Ao cumprimentar o presidente do Brasil, o premiê russo afirmou que "o Brasil é o nosso parceiro crucial na América Latina".

Aloysio Nunes qualifica como positiva a presença global da Rússia

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes avaliou como positiva, em suas declarações ao jornal Rossiyskaya Gazeta, a presença da Rússia na política global.

"Depois da desintegração da URSS, a Rússia mantém sua presença inquestionável em escala global. Em minha opinião, é uma presença positiva", afirmou Nunes em entrevista ao Rossiyskaya Gazeta realizada na véspera de chegada do presidente do Brasil, Michel Temer, a Moscou.

Temer revela o que espera trazer do encontro com Putin na Rússia

O presidente brasileiro Michel Temer (PMDB) estará em Moscou, na Rússia, na próxima semana para uma série de reuniões com empresários e autoridades russas, dentre as quais o presidente russo Vladimir Putin. E nesta sexta-feira o peemedebista revelou o que pretende trazer para o Brasil desses encontros.

Putin: países que introduziram sanções perderam mais do que a Rússia

O presidente da Rússia disse, ao responder a perguntas na Linha Direta, que as novas sanções foram impostas à Rússia sem qualquer motivo, mas que não acontece nada de extraordinário.

Pelo contrário, o presidente sublinhou que as sanções "nos obrigaram a usar a cabeça" para resolver os problemas.

Investimento estrangeiro volta a crescer na Rússia

Número de acordos foi recorde dos últimos três anos, de acordo com anúncio feito pelo presidente Pútin no Fórum Econômico de São Petersburgo. Europa continua a ser principal investidora.

O presidente russo Vladímir Pútin anunciou que o investimento estrangeiro continua a crescer no país desde o início de 2017. A declaração foi feita durante o 21º Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo, que terminou no último sábado (3).

Rússia finalizará em 2022 construção de reator de pesquisa nuclear mais poderoso do mundo

A Rússia espera terminar de construir em até cinco anos o seu Reator Multipropósito de Pesquisa Rápida (MBIR), de acordo com documentos apresentados pela estatal de energia nuclear Rosatom nesta quinta-feira, no Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo.

Jungmann: EUA, Rússia, França e Israel querem lançar satélites no Brasil

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, reafirmou nesta quarta-feira que há pelo menos quatro países interessados em lançar satélites a partir do Centro Nacional de Alcântara, no Maranhão: Rússia, França, Israel e Estados Unidos, com quem o Brasil já vinha negociando um acordo de salvaguardas para uso da base. "São apenas alguns", disse ele.

Rússia supera Arábia Saudita como principal fornecedora de petróleo para China pelo 2° mês

A Rússia manteve-se em primeiro lugar como fornecedor de petróleo para a China, superando a Arábia Saudita pelo segundo mês consecutivo, enquanto as refinarias independentes recebiam mais volumes antes do primeiro lote de cotas expirar.

Arábia Saudita e Rússia, que disputam mais participação de mercado na China, disseram que apoiam uma extensão do corte de produção de petróleo até março de 2018 para conter um excesso da commodity e elevar os preços.

Páginas