Hidrogênio: Premiê russo cria Grupo de Trabalho para transição energética

Hidrogênio: Premiê russo cria Grupo de Trabalho para transição energética

Novo órgão inclui grandes produtores de petróleo e gás com o objetivo de coordenar seus projetos de hidrogênio com as autoridades estatais (Upstream Online, Vladimir Afanasiev, em 26.07.2021)

O primeiro-ministro russo, Mikhail Mishustin, criou um Grupo de Trabalho sobre hidrogênio, o que é visto como uma tentativa de responder às demandas de transição energética em seus principais mercados de exportação de energia na Europa e na Ásia.

A iniciativa ressalta a visão dominante na Rússia de que sua própria produção futura de hidrogênio dependerá predominantemente do gás natural.

Isso resultaria predominantemente na produção de hidrogênio azul – que usa captura e armazenamento de carbono (CCS) – em vez de hidrogênio verde, onde a energia renovável é usada para alimentar o processo de eletrólise que divide a água em hidrogênio e oxigênio.

Há também um lobby na Rússia que apóia o desenvolvimento contínuo de petróleo e carvão no fornecimento de energia para instalações planejadas de produção de hidrogênio, com o governo enfatizando que o país é “rico em recursos de hidrocarbonetos”.

O novo grupo de trabalho inclui os presidentes e vice-presidentes dos principais produtores de gás russos Gazprom e Novatek, e dos produtores de petróleo Rosneft e Gazprom Neft, bem como representantes de várias outras grandes corporações estatais russas e ministérios relacionados.

Por vários anos, a Gazprom tem pesquisado a opção de misturar hidrogênio em suprimentos de gás e recentemente reiterou a possibilidade de que uma das duas linhas de seu próximo gasoduto submarino Nord Stream 2 para a Alemanha possa ser reaproveitada para transportar hidrogênio em cerca de 10 anos.

O maior produtor independente de gás da Rússia, Novatek, tem liderado os esforços em direção à mudança, tendo assinado vários acordos no início deste ano para considerar CCS, produção de amônia e geração de energia eólica em seus projetos de gás natural liquefeito na Península de Yamal.

Enquanto isso, Rosneft e Gazprom Neft enfatizaram repetidamente que não são novatas no hidrogênio, já que há muito é produzido e usado em suas refinarias – normalmente o hidrogênio “cinza” inabalável.

No entanto, ambos disseram que também estão trabalhando em opções de energia eólica e solar para reduzir sua pegada de carbono.

O grupo de trabalho não inclui representantes de outros produtores privados de petróleo russos, como Lukoil, Surgutneftegaz e Tatneft.

O vice-presidente da Lukoil, Leonid Fedun, disse no início desta semana que os produtores de petróleo russos “ficaram muito aliviados” com a proposta da Comissão Europeia de adiar a muito temida introdução de um imposto de fronteira sobre o carbono em suas exportações de petróleo e produtos para a Europa após 2026.

Isso significa que os produtores russos devem esperar uma espera de 10 anos antes que isso tenha um impacto sobre suas exportações europeias.

Roteiro de hidrogênio

A criação do grupo de trabalho estava prevista no ano passado, depois que Mishustin aprovou o roteiro do país para promover o desenvolvimento da produção e exportação de hidrogênio.

O roteiro não faz distinção entre hidrogênio verde, azul e cinza, observam analistas do setor em Moscou.

Isso reflete a visão russa de que o país deve estar pronto para considerar todas as maneiras possíveis de obter uma participação maior nos futuros mercados de hidrogênio na Europa e na Ásia, à medida que suas exportações de petróleo e gás para o continente começarem a diminuir.

De acordo com o roteiro, as autoridades esperam que novas instalações de produção de hidrogênio com CCS na Rússia entrem em comissionamento já em 2023.

Eles serão seguidos por unidades experimentais para produzir hidrogênio a partir da água, usando fontes de energia nuclear e renováveis, prometeram as autoridades.

Conselheiro de Putin para liderar

De acordo com a resolução de Mishustin, o grupo de trabalho será chefiado pelo vice-primeiro-ministro responsável pelas questões de energia, Alexander Novak.

A importância do novo órgão para o Kremlin foi enfatizada pela inclusão do reitor da Universidade de Mineração de São Petersburgo, Vladimir Litvinenko, de acordo com observadores.

Litvinenko há muito é visto como próximo do presidente russo Vladimir Putin, supervisionando o trabalho de dissertação de Putin em 1996, no qual ele defendia o maior envolvimento do Estado no setor de petróleo e gás do país.

Ações da Câmara Brasil-Rússia

A Câmara Brasil-Rússia de Comércio, Indústria & Turismo, atenta aos novos ditames do mercado global, em sintonia com as necessidades do desenvolvimento de fontes alternativas de energia, no âmbito de seus Grupos Executivos de Trabalho (GETs) de Infraestrutura e Energia, e de Suporte Legal, tem trazido à tona aos seus associados e parceiros discussões como a do desenvolvimento conjunto entre Brasil e Rússia de inovações tecnológicas, como a da utilização do Hidrogênio, da Energia Fotovoltaica e Nuclear, e convida a todos a participarem de nossas próximas reuniões.

A temática do Hidrogênio será objeto de diálogos em nossos próximos encontros online.

Em caso de interesse em receber mais informações, disponibilizo o endereço da Coordenadora Executiva dos GETs, Dra. Jeniffer Pires: jeniffer.cotta@brasil-russia.org.br.

Leave a comment

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *